Palestra 01: "O primeiro amor a gente nunca esquece"

Quando Jeff voltou para Nova York pouco depois, ele reencontrou sua namorada havia dez anos: Vanina, amiga de Calpúrnia que é também amiga de Jeff e ele mostrou o medalhão iridescente que ele ganhou da menina do arco-íris.

- Meu Jeffrey Jones

Quem é que não se lembrar das fantasias, dos sonhos, dos planos do primeiro amor? Encontramos novos amores ao longo da vida, nos apaixonamos de verdade, mas o primeiro amor esse a gente nunca esquece... 

Quando eu escrevi o livro Meu Jeffrey Jones em 1989 (e de novo em 1994), pensei: "Por que não colocar o primeiro amor como temática do conto e tema-livre?" Ao assistir o episódio de Viajantes do Tempo no SBT, "Created Equal", vi as cenas do primeiro amor entre Jeffrey Jones e Calpúrnia, o que me chamou atenção. E não é que a resposta da maior dúvida que tinha sobre o primeiro amor cercado de magia e fantasia, encontrei nele!

Quem nunca ouviu esta frase: “O primeiro amor a gente nunca esquece”? Com toda certeza as pessoas se recordam dos seus primeiros amores, pois o primeiro amor, realmente dificilmente se é esquecido. Porém este esquecimento, que não acontece, não é aquela lembrança que faz mal, muito ao contrário, geralmente as lembranças que as pessoas possuem de seus primeiros amores, são aquelas lembranças altamente saudáveis, e que só traz benefícios, ao se lembrar, dos momentos e das situações, que foram vivenciadas. E com toda certeza, os que tiveram um primeiro amor sincero, puro, e saudável, se parar para pensar, de modo obvio, se lembrarão muito bem de como foi este amor.

O primeiro amor também é cheio de magia e tem uma pitada de romance, e pode ser sempre lembrada quando chegamos a idade adulta. Um bom exemplo disso é a história de Jeff e de Vanina, dois protagonistas de "Meu Jeffrey Jones", que é parte do meu livro Contos e Temas-Livres.

JEFF E VANINA

Vanina, uma jovem, é chamada carinhosamente de menina dos olhos azuis (pela beleza e aparência angelicais). Ela conheceu Jeff ainda menina (Jeff tinha 10 anos e Vanina 8 naquela época) e ficaram juntos dos tempos de escola ao colegial mas, em virtude da explosão da Challenger em 1986, Jeff e Vanina se separaram e tiveram que morar em dois lugares: Vanina em Los Angeles, Jeff em Nova York. Eles só puderam falar um com o outro por carta até 1992, quando Jeff, mesmo se recuperando de amnésia e voltando a se lembrar, reencontrou Vanina, e os dois voltaram a se amar. Daí o amor a distância. Sabe aquele arco-íris que une duas pessoas, distantes um do outro? Aparece depois da tempestade, como é o caso da letra da música Nijiiro no Bayon (Bayon Iridescente), na voz do cantor japonês Kiyoshi Hikawa, na qual meu conto lhe serviu de base.

Assim como o jovem casal Jeff e Vanina, muitas dessas pessoas também passam por essa primeira experiência maravilhosa, mesmo em momentos difíceis. A mesma coisa acontece com os dois amigos de infância, Mário e Alice, da novela Sol Nascente. Conforme diz a blogueira do Pétala de Rosa, o primeiro amor é belo, inocente e inesquecível, passa dias, semanas, meses, anos e anos, mas a gente nunca esquece. O primeiro amor ele vem cheio de novidades, é inocente, curioso, vem com sentimentos que vamos descobrindo aos poucos, ele tem toda uma magia que se eterniza para sempre em nossa memória.


Fonte: Pétala de Rosa
http://www.petaladerosa.com.br/declaracao-de-amor/179/O+Primeiro+Amor+a+Gente+Nunca+Esquece.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palestra 30: "Nas asas do pássaro azul, a alegoria da felicidade em massa"

Palestra 16: "Cinquenta tons de Kama Sutra"

Palestra 20: "Uma amizade que veio do mar"