Palestra 04: "Linhas de Nazca e das pampas de Jumana: tá na insígnia!"

"Nunca vi uma coisa assim", disse Ian. "Além dos símbolos do pássaro que é o nosso emblema, vemos os desenhos de uma águia ou coisa do tipo. Igual que aparece na Ilha de Inner Iga e os planetas Mount e Beeze, bem próximos daqui. O sr. sabe disso, vô?"

- Ian, O Segredo da Linha de Nazca


As Linhas de Nazca ou são um conjunto de geoglifos antigos localizada no deserto de Nazca, no sul do Peru. Eles foram designados como um Patrimônio Mundial pela UNESCO em 1994. O alto planalto árido se estende por mais de 80 km entre as cidades de Nazca e Palpa nos Pampas de Jumana, cerca de 400 km ao sul de Lima. Embora alguns geoglifos locais lembrem a cultura de Paracas, estudiosos acreditam que as Linhas de Nazca foram criados pela civilização de Nazca entre 400 e 650 d.C. As centenas de figuras individuais variam em complexidade a partir de simples linhas até beija-flores estilizados, aranhas, macacos, peixes, tubarões ou orcas, lhamas e lagartos.

 As linhas são desenhos rasos feitos no chão, removendo as pedras avermelhadas onipresentes na região e descobrindo o chão esbranquiçadas por baixo. Centenas são simples linhas ou formas geométricas, com mais de setenta desenhos de animais, aves, peixes ou figuras humanas. Os maiores têm mais de 200 metros de diâmetro. Os estudiosos divergem na interpretação dos efeitos dos projetos, mas geralmente atribuem-lhe significado religioso.

 Os desenhos geométricos poderiam indicar o fluxo de água ou estarem ligados a rituais para convocar água. As aranhas, pássaros e plantas poderiam ser símbolos de fertilidade. Outras explicações possíveis incluem: sistemas de irrigação ou gigantes calendários astronômicos.

 Devido ao clima seco, sem vento e estável, de planalto e ao seu isolamento, a maior parte das linhas foram preservadas. Extremamente raras, mudanças climáticas podem alterar temporariamente os projetos em geral.

IAN, O POLICIAL NATIVO CUJA LINHA DE NAZCA ESTÁ NA INSÍGNIA

Como muitos nativos do planeta Bird, Ian, filho de Gavan e neto de Qom, também descobriu o desenho do colibri desenhada pela civilização de Nazca no Peru, de uma forma apropriada. Certa vez, ele e seu avô chegaram ao nosso planeta, exatamente no sul de Peru, e lá receberam a ajuda de Brandon (um estadunidense), Ramón e Consuelo (os dois peruanos), que ajudaram Ian e Qom a fotografar alguns geóglifos daquele lugar. Ian descobriu enfim que os quatro geóglifos de Nazca tinham ligação incrível com os 4 elementos, bem como os 4 planetas: Bird, Iga, Mount e Beeze! O colibri é, sem dúvida, o símbolo do planeta Bird.

Quando eu assisti Sharivan, o Policial do Espaço (que é parte da trilogia dos Policiais do Espaço e fica entre Gyaban e Shaider), imaginava um enredo que passasse no sul do Peru com metade dos nativos de Bird e o resto deles daqui. Só mais tarde, descobri que, no sul do Peru, a civilização de Nazca fez setenta desenhos, entre as quais o colibri e as asas do pássaro com estrela (até então não descoberto, exceto em Gyaban) - pelo site do Wikipédia. Isso inspirou a fazer esse conto sobre geóglifos de Nazca.

Como um simples desenho pode trazer tantas influências? É bem provável que as linhas de Nazca podem representar os elementos da natureza. Por esse motivo, os desenhos de Nazca também servem para serem vistos e deslumbrados com os próprios olhos.


Fonte: Wikipédia https://pt.wikipedia.org/wiki/Linhas_e_Ge%C3%B3glifos_de_Nasca_e_das_Pampas_de_Jumana

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palestra 30: "Nas asas do pássaro azul, a alegoria da felicidade em massa"

Palestra 16: "Cinquenta tons de Kama Sutra"

Tanabata Matsuri