Palestra 30: "Nas asas do pássaro azul, a alegoria da felicidade em massa"

Quando vocês acharem o pássaro da felicidade, o conto de fadas se tornará realidade, e tudo de maneira positiva.

- O Pássaro da Felicidade

Todo mundo lembra do pássaro da felicidade que deixa a gente feliz. E pra ser feliz, tem que cultivar nossas amizades, os amigos de verdade. Tem que mergulhar fundo na fantasia, na nossa liberdade. Tem que relembrar os momentos felizes do passado, no País da Saudade, lembrar de seus antepassados, de seus avós. Tem que apreciar o Jardim das Felicidades, cultivar a alegria, relembrar o amor e carinho de mãe. Tem que planejar como vai ser nossos filhos por nascer - do Reino do Futuro ao nosso mundo. Como? Através da história do Pássaro azul.

O símbolo de um pássaro azul como o prenúncio da felicidade é encontrado em muitas culturas e pode datar de milhares de anos. Um dos exemplos mais antigos (encontrado nas inscrições ósseas do oráculo da Dinastia Shang, 1766-1122 a.C.) é da China pré-moderna, onde um pássaro azul (qingniao) era o pássaro mensageiro de Xi Wangmu, a "Rainha Mãe do Oeste que começou a vida como uma temível deusa e imortal". Pela dinastia Tang (618-906 d.C.) ela evoluiu para uma rainha taoísta e protetora / patrona de "meninas cantoras, mulheres mortas, noviças, freiras, adeptos e sacerdotisas ... mulheres que estavam fora dos papéis prescritos... e mulheres na família tradicional chinesa". As representações de Xi Wangmu muitas vezes incluem um pássaro - os pássaros nas primeiras representações são difíceis de identificar, e pela Dinastia Tang, a maioria das aves aparecem em um círculo, muitas vezes com três pernas, como um símbolo do sol.

Entre alguns nativos americanos, o pássaro azul tem significado mitológico ou literário.

De acordo com a tribo Cochiti, o filho primogênito do Sol  foi chamado Bluebird (pássaro azul). No conto "Os Filhos do Sol", de "Tales of the Cochiti Indians" (1932), de Ruth Benedict, o filho do sol é chamado Culutiwa.

O Navajo identifica o pássaro azul da montanha como um espírito na forma animal, associado com o sol de aumentação. O canto do pássaro azul é cantada para lembrar os membros da tribo para acordar ao amanhecer e subir para cumprimentar o sol:

O pássaro azul me contou
"Acorda, meu filho
É madrugada", me falou.

A canção do pásaro azul ainda é realizada em cenários sociais, incluindo a cerimônia da Noite de Inverno de Ye'iibicheii de nove dias, onde é a canção final, realizada pouco antes do nascer do sol do último dia da cerimônia.

A maioria dos conhecimentos de O'odham associado com o "pássaro azul" referem provavelmente não aos sialia mas ao grosbeak azul.

Os pássaros azuis genuínos (Sialia) são encontrados somente na America do Norte. O Palearctic ocidental tem somente alguns pássaros com o azul conspícuo na plumagem, incluindo o Monticola solitarius, o macho adulto de que é o único passerine europeu com plumagem tudo-azul; Esta espécie é mais conhecida do seu tratamento literário por Giacomo Leopardi, cujo poema Il passero solitario faz do rocão uma figura do isolamento do poeta. O Parus major e os vários Cyanistes do gênero também têm um azul notável em sua plumagem.

Em L'Oiseau Bleu de Madame d'Aulnoy (1650-1705), o Rei Encantado se transforma em um pássaro azul, que auxilia sua amada, a princesa Fiordelisa, em suas provações.

O Pássaro Azul forneceu o material narrativo para uma peça de teatro de 1908 de Maurice Maeterlinck, que por sua vez foi a fonte de vários filmes, incluindo o filme de 1940. No Brasil, o livro foi traduzido por Carlos Drummond de Andrade para a editora Opera Mundi, do Rio de Janeiro, em 1962.

Nos contos de fadas russos, o pássaro azul é um símbolo de esperança. Mais recentemente, Anton Denikin tem caracterizado a Marcha do Gelo do Exército Voluntário derrotado na Guerra Civil Russa conforme segue:

Passamos da escuridão da noite e da escravidão espiritual para vagabundos desconhecidos - em busca do pássaro azul.
Aleksandra Pakhmutova, compositora renomada na Rússia e CEI, compôs com Nikolai Dobronravov em 1980 a célebre canção "O Pássaro da Felicidade", cuja letra "me escolha" conquista o povo russo até hoje.

IVANKA LYRYA E LEV MISHA: OS TYLS DA FEDERAÇÃO RUSSA

Ivanka Lyrya e Lev Misha Tylunovich são de uma família fabulosa de Moscou. Sua mãe, Ekaterina, é uma contadora de histórias (é casada com Mstislav). Quando foram informados que seu pai estava doente, Lyrya e Lev Misha, orientados por Ekaterina, sua mãe, tiveram que ir a Kiev (capital da Ucrânia) procurar o pássaro. Antes, porém, reencontram Vladimir, seu tio que a família não via havia 12 anos. Lyrya, Lev Misha e o tio Vladimir vão então ao lado oeste de Kiev. O que encontram é o fabuloso pássaro da felicidade, um pássaro azul que pode fazer as pessoas felizes. Eles conduzem o pássaro a Moscou - e de volta - para conseguir salvar Mstislav dessa enfermidade. O pássaro não só salva a vida dele, como também traz a felicidade de volta a família Tylunovich e seu lar. Depois de tantas aventuras, Lyrya, Lev Misha e sua família convencem Vladimir a viver com eles. Graças a ajuda do pássaro da felicidade, a harmonia voltou a sua família. É por isso que pedimos ao pássaro da felicidade: "Me escolha!"

Assim como Lyrya e Lev Misha obtém o pássaro da felicidade, você também pode ser feliz em tudo!

A vida nos ensina algumas lições. E, não cobra nada por isso. Mostra que não é preciso uma conta bancária gorda para ser feliz. Alguns trocados já bastam.

Muito melhor que herdar é conquistar com o suor do dia a dia.

Mostra que não é preciso uma vasta lista de supostos amigos. Alguns, mesmo que poucos, sendo verdadeiros, já são o suficiente. Desde que sejam sinceros. Mostra que dignidade é uma virtude quase extinta. E que ser digno, é uma característica de meia dúzia num universo de milhares.

Mostra que ter um lar é melhor que viver em qualquer palacete. Que não importa se o apartamento tem três andares ou se a casa vale milhões.

Um bom lar precisa ser feito, não comprado.

Mostra que o mundo dá muitas voltas e que nas esquinas da vida, quem agora está por cima, pode encontrar amanhã no topo aquele que hoje, está por baixo.

Mostra que as melhores coisas da vida, são simples. Que nem toda lagosta e caviar substitui uma comidinha caseira, feita com todo amor.

Mostra que não precisamos de champanhe importada para brindar. Uma cervejinha gelada, num copo de requeijão, pode ter um sabor bem melhor.

Mostra que nada vale uma roupa de grife, posto que a elegância pode estar em alguém de chinelos, de preferência uma boa e velha Havaiana.

A vida nos mostra que a palavra paz, de apenas três letrinhas, tem um significado tão grande, que praticamente não cabe no dicionário.

A vida nos mostra, como já diria Buchwald, que: “As melhores coisas na vida não são coisas”.

Aqui vão as 7 regras da felicidade pra você praticar atitudes que elevam a sua energia vibracional e atrair a felicidade para a sua vida.

Seja mais leve e feliz, confira:

1- COBRE-SE MENOS: Todo mundo erra, isso é fato! Por isso, quando as coisas não saírem como você gostaria, evite se culpar. Vale a pena ser dedicada no que faz, mas sem exigir demais de si mesma, pois não faz nada bem para a saúde.

2- TRACE OBJETIVOS: Pense no que quer a curto, médio e longo prazo. Faça um planejamento para que possa atingir suas metas de forma concreta. Se deseja, por exemplo, mudar de profissão, é hora de mexer os pauzinhos para conseguir fazer isso. Estude as possibilidades, faça cursos.

3- PARE DE RECLAMAR: Em vez de perder tempo lamentando o que deu errado, procure canalizar suas energias em ações que podem fazer sua vida melhorar.

4- MANTENHA O BOM HUMOR: Tente ver o lado bom das coisas e aprender com os desafios. Por isso, ria de si mesma diante das dificuldades. Assim, vai se sentir mais leve e poderá descobrir que os problemas não eram tão grandes.

5- NÃO LEVE TUDO TÃO A SÉRIO: Pense bem: se você acha que todo mundo é contra você, é porque acredita que estão prestando muita atenção no que faz. Procure relaxar e se importar menos com a opinião alheia.

6- ARRISQUE-SE MAIS: Não deixe de fazer coisas por medo e confie mais em si. Só tentando é que vai descobrir potenciais que você ainda nem sabe que tem. O importante é agir com responsabilidade, sempre.

7- INOVE: Mudar o visual renova também a autoestima. Que tal dar uma repicada no corte? A dica também vale para expandir os limites do seu mundo: vá a lugares diferentes dos que está acostumada, se abra para conhecer novas pessoas, faça algo para aprimorar a sua carreira, por exemplo.

Feito isso, você estará despertando o pássaro da felicidade em você. Assim, você se tornará uma pessoa mais feliz do que nunca!


Fonte: Wikipédia

O Pássaro Azul https://pt.wikipedia.org/wiki/O_Pássaro_Azul

Só um pouquinho já basta para ser feliz! (O segredo) https://osegredo.com.br/2017/03/so-um-pouquinho-ja-basta-para-ser-feliz/

7 regras para a felicidade (O segredo) https://osegredo.com.br/2017/03/7-regras-para-felicidade/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palestra 16: "Cinquenta tons de Kama Sutra"

Tanabata Matsuri