Palestra 25: "Por trás do conto da Pequena Sereia: a metáfora do amor estrangeiro"

Nyah, ao notar que Bruno estava respirando por um milagre, comemorou. Ela olhou fixamente para Bruno e se apaixonou naquele momento.

- Nyah, a Sereia

Tóssoli, a Pequena Sereia (em dinamarquês: Den Lille Havfrue) é um conto adaptado para crianças da autoria de Hans Christian Andersen (datada de 7 de abril de 1837) sobre uma jovem sereia disposta a dar a sua vida nos mares e a sua identidade como sereia a fim de conseguir uma alma humana e o amor de um príncipe humano. Já ganhou centenas e centenas de adaptações audiovisuais, incluindo a melhor conhecida adaptação da Disney em 1989, cuja canção "Parte de Seu Mundo" conquista as meninas até hoje. É também um conto temático de todos: neste caso, a temática é o amor estrangeiro.

Quando eu comecei a tomar conhecimento sobre amor estrangeiro, eu me lembrei de uma das histórias de Hans Christian Andersen. Consta que muitas das histórias de Andersen tinham a intenção de estimular os leitores a olhar além da aparência externa das coisas. Uma de suas famosas histórias, A Pequena Sereia, é um excelente exemplo dessa filosofia. Tal qual Tóssoli, a personagem-título da história que se apaixona por um príncipe humano da superfície, fica claro que algumas mulheres vão ter que lidar com um amor estrangeiro. 

Por exemplo, você conheceu um carinha pela internet ou pessoalmente e já estão há meses conversando. Ele é estrangeiro, e você jura que já está apaixonada. Vocês estabeleceram uma relação virtual bem séria, assumiram compromisso um com o outro e já marcaram o primeiro encontro. 

E você anda com os nervos à flor da pele pois, embora vocês tenham falado sobre tudo e todos na vida de cada um, agora vai ser a hora da prática, o momento em que vão interagir pessoalmente e vão ter que lidar com muitas diferenças. E agora, como vai ser? É o que você se pergunta sem parar.

Bem, depois de assumirem o relacionamento, os dois vão passar por um processo de adaptação. Um amor estrangeiro exige isso. Vai ser necessário se adaptar a tudo, de ambos os lados. Ao clima, o idioma, à cultura, à comida, às pessoas. Se você está disposta a encarar este amor, siga em frente e tenha paciência consigo mesma. Do contrário, desista.

Decidiu seguir em frente? Bem, antes é preciso ter confiança. É a base de qualquer relação. Só que em se tratando de pessoas de diferentes países, a necessidade de confiança é ainda maior.

Não seja acanhada, é preciso abrir o jogo sobre situações que a incomodam, coisas que não entende e coisas que você não admite. Da mesma forma, deixe seu parceiro estrangeiro bem à vontade para também colocar de forma bem clara pontos que são necessários serem discutidos.

Além disso, você vai ter que voltar a estudar. Caso não tenha conhecimento mais profundo sobre a cultura com a qual você estará lidando, estude profundamente sobre ela. Lembre-se, cada povo tem costumes específicos com detalhes que você jamais poderia imaginar que haveriam.

E se a questão evoluir e vocês forem morar sobre o mesmo teto? As diferenças culturais criarão barreiras entre vocês, por mais que para você seja natural. A solução é manter o diálogo e a mente aberta.

Já que você cobra que ele experimente as suas coisas, se permita ensaiar passos da cultura dele, e você vai ter uma experiência positiva, de algo que estava eminentemente negativo em seu mundo.

Não esqueça também que o modo de iniciar um relacionamento, assim como o modo de levar um relacionamento pode não ser como é do seu costume. Neste momento, vale um jogo aberto, sinceridade e vale também não ser muito exigente. Dê um tempo para que ele entenda como as coisas funcionam com você. E observe muito, para aprender sobre ele.

Aproveitem ainda que os dois fazem parte de mundos completamente diferentes e apresentem este mundo um ao outro. Lembre-se que muitas vezes tudo que se sabe sobre determinadas culturas vêm a partir de avaliações preconceituosas. Por isso, aqui também é importante que não haja segredos.

Por fim, e não menos importante, é aprender a língua do amado estrangeiro e incentivá-lo a aprender a sua. Isso é básico. Vocês precisam falar a mesma língua, ou correm o risco de não conseguir se comunicar, e a comunicação é fundamental em todos os pontos. Não se esqueça que ele fará parte do seu dia-a-dia, e vocês vão ter que conversar.

NYAH, A PEQUENA APAIXONADA DOS SETE MARES

Nyah (ou Naya) sonhava em conhecer o amor de sua vida na superfície (ela já conquistou o coração dos humanos três vezes, mas sem sucesso). Certa noite, Nyah nadou e subiu à superfície. As luzes e a música a encantaram! Era a festa de aniversário de Bruno, mestrado em biologia marinha da UniSantos. Nyah nunca tinha visto um estrangeiro tão lindo assim. Foi amor à primeira vista! Mas o temporal apareceu tão de repente e o iate se afundou (e com ele Bruno). Na mesma hora Nyah mergulhou e resgatou o gringo até a areia e cantou uma doce canção enquanto estava desacordado. E ela se apaixonou perdidamente por ele. Mas Aztlan, o pai dela, não gostava dos humanos estrangeiros e se opôs ao namoro dos dois. Então Nyah pediu ajuda a Lady Marshah, a feiticeira do mar, que a converteu em humana depois de adquirir o colar, e deu um prazo de três dias para ganhar o beijo de amor verdadeiro de Bruno, do contrário ela seria refém da feiticeira. Três dias depois, logo agora que Nyah e Bruno iam se beijar, Lady Marshah a sequestrou quando de repente Aztlan, que estava procurando a filha, chegou bem na hora. A malvada até que tentou convencê-lo de que não tinha nada a ver com aquilo tudo. Mas Aztlan não caiu na conversa e mandou Marshah pra longe (e Bruno jogou a madrepérola explosiva contra Marshah, que morreu na praia). Ao perceber que Nyah realmente amava Bruno, Aztlan finalmente compreendeu o desejo dela, e a transformou em humana. Assim, Nyah e Bruno, sob as bênçãos de Aztlan dos mares, ficaram juntos debaixo d'água... e na superfície. 

Siga o exemplo da Pequena Sereia: você deve abrir o seu coração pra esse gringo que está diante de você. Mas se deve tomar cuidado pra não errar feio na relação amorosa! E pra não errar, eis o link pra prestar atenção antes de conhecê-lo: http://www.vix.com/pt/bdm/amor/amor-estrangeiro-como-fica-1

E para conhecer sua cara-metade estrangeira de uma forma fabulosa, eu recomendo você ler os seguintes livros:

A PEQUENA SEREIA (Den Lille Havfrue) - Hans Christian Andersen
(Edições SM)

A caçula das sereiazinhas se apaixonou pelo príncipe de olhos negros que ela salvou do naufrágio. Mas como declarar seu amor a quem caminha sobre o seco? Somente a velha feiticeira pode lhe arranjar o par de pernas que a levarão aos braços do amado. O preço, no entanto, é altíssimo: sua linda voz. Além disso, terá de deixar para sempre o fundo do mar, podendo até morrer, caso não seja correspondida. Embora o trato pareça bem pouco vantajoso, como esperar sensatez de quem ama? Recriação do célebre conto de Andersen, ambientado pelo ilustrador Quentin Gréban em cenário oriental.



PRINCESA DAS ÁGUAS - Paula Pimenta
(Editora Galera Record)

Uma releitura da história da Pequena Sereia, com a marca de Paula Pimenta, uma das mais importantes autoras brasileiras da atualidade Arielle Botrel é uma nadadora famosa, prestes a viver o maior desafio de sua vida - participar das Olimpíadas pela primeira vez. Porém, ao contrário do que todos pensam, ela não possui tudo que deseja. Por ser a filha caçula de uma grande família, a garota é muito protegida e, apesar das medalhas e dos troféus, sonha com uma vida diferente, onde possa ser livre. Até que um dia um acidente faz tudo mudar. Arielle é apresentada a um mundo diferente... E nele existe alguém que vira sua vida de cabeça para baixo. Porém, para conquistá-lo, ela terá que abrir mão de sua voz. Será que Arielle vai conseguir conquistar esse príncipe sem palavras? E se no coração dele já existir outra princesa?


Fonte: Wikipédia


Como lidar com um amor estrangeiro (Doutíssima.com): http://doutissima.com.br/2015/02/26/como-lidar-com-um-amor-estrangeiro-14692953/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça Ritinha, a mais linda das sereias da novela "A Força do Querer"

Palestra 30: "Nas asas do pássaro azul, a alegoria da felicidade em massa"

Palestra 16: "Cinquenta tons de Kama Sutra"